BIODIVERSIDADE: PRIMEIRO VIADUTO VEGETADO SOBRE A BR-101 EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL COMEÇARÁ A SER CONSTRUÍDO EM NOVEMBRO.



Publicado

AJUFERJES

Autor

Wagner Ventura

Fotos

Data de Publicação

06/11/2018 00:00:00

Facebook

Twitter


O primeiro viaduto vegetado em rodovias federais brasileiras começará a ser construído ainda neste mês de novembro de 2018. Este é o compromisso da empresa Autopista Fluminense/Arteris, concessionária responsável pela operação Rodovia BR-101 no Rio de Janeiro, trecho entre Rio Bonito e Casimiro de Abreu.

A estrada atravessa uma área estratégica tanto para a biodiversidade, quanto para o desenvolvimento nacional, pois conecta a cidade do Rio de Janeiro com o polo de petróleo Macaé/Campos. Com a sua necessária duplicação, além do problema dos atropelamentos da fauna da Área de Proteção Ambiental Rio São João/Mico-Leão-Dourado, a estrada passa a funcionar como uma verdadeira barreira para os animais que tentam acessar a Reserva Biológica de Poço das Antas, afetando diretamente os esforços para salvar o Mico-Leão-Dourado do risco de extinção. A espécie é endêmica desta área, ou seja, não ocorre em nenhum outro lugar no Brasil e no mundo.

Este caso ajuda a explicar a importância do Ministério do Meio Ambiente e do licenciamento ambiental de obras de infraestrutura.

A implementação de passagens de fauna foi uma condicionante ambiental para a liberação das licenças que permitiram a realização desta importante obra de duplicação. O licenciamento é realizado pelo Ministério do Meio Ambiente, através dos órgãos ICMBio e IBAMA. Além do viaduto, serão construídas outras estruturas mais leves, conectando as copas das árvores em localidades estratégicas. Já estão sendo implantadas também 16 passagens subterrâneas que darão apoio à circulação da fauna terrestre. Os vãos das pontes dos rios que cortam a estrada também serão adaptados para facilitar a circulação da fauna.

Espera-se com isso que a BR-101 se transforme em um modelo em termos de medidas de proteção à fauna em obras do setor rodoviário. Um último trecho estratégico ainda está em licenciamento, que corresponde aos 8 km que a rodovia atravessa a Reserva Biológica União.

Foram mais de seis anos de negociações, reuniões, campanhas, projetos, processo judicial etc.... para chegarmos a este momento tão importante do início das obras. Após a sua conclusão, que deve durar cerca de um ano, será realizado um trabalho de monitoramento do uso do corredor florestal pela fauna. O objetivo é viabilizar que os animais utilizem a passagem, visando permitir a troca genética entre os diferentes grupos de Mico-Leão-Dourado que vivem em cada lado da pista. Além disso, espera-se que o uso por outros bichos, especialmente os predadores, permita a manutenção do equilíbrio ecológico dentro da Reserva Biológica. Trata-se de uma iniciativa de longo prazo para viabilizar a conectividade da paisagem.

A Associação Mico-Leão-Dourado, que participa desde o início desta discussão, já iniciou a restauração de mais de 100 hectares de florestas em ambos os lados do futuro viaduto vegetado.

Gostaríamos, neste momento de compartilhar publicamente nossos agradecimentos a todas as pessoas e instituições envolvidas, que permitiram alcançar este resultado importantíssimo para a biodiversidade brasileira:

Ao ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, tanto a direção em Brasília quanto a equipe local nas pessoas dos chefes da Rebio de Poço das Antas, Gustavo Luna, e da chefe da APA Rio São João/Mico-Leão-Dourado, Christina Albuquerque, entre vários outros profissionais envolvidos;

À empresa concessionária Autopista Fluminense/Arteris, em especial ao presidente Dr. Odilio Ferreira, o gerente de Meio Ambiente Eng. Marcello Gonçalves, o advogado Gustavo Pinheiro e os engenheiros que desenvolveram o inovador projeto do viaduto;

À ANTT, Agencia Nacional de Transportes Terrestres, na pessoa do superintendente Fabio Freitas;

Ao Ministério Público Federal, que durante esse longo período do processo teve três Procuradores da República responsáveis pelo caso e que arbitraram o acordo que viabilizou a definição das passagens: Dr. Flavio Reis, Dr. Leandro Mitidieri e Dr. Fabio Sanchez;

À juíza Federal de Macaé, Dra. Monica Lúcia Nascimento que acolheu a ação do MPF e contribuiu decisivamente para o desfecho do caso;

Às organizações parceiras da AMLD, DOB Ecology da Holanda (Dr. Maas Goote) e Saving Species dos Estados Unidos (Dr. Stuart Pimm), pelo apoio para a recuperação dos 100 hectares de florestas na Fazenda igarapé, que irão viabilizar esta conexão;

Ao Fundo Disney para a Conservação que viabilizou a implantação do pequeno corredor florestal ao lado da Rebio de Poço das Antas;

Ao Sr. Antonio Wakigawa, proprietário da Fazenda Wakimar, que gentilmente cedeu terreno de sua propriedade para implantar o corredor;

Aos parceiros, sócios, amigos e amantes da natureza, no Brasil e no exterior, que participaram deste esforço, seja divulgando abaixo assinado, seja manifestando-se em redes sociais. Em um momento tão delicado para as conquistas ambientais no país, este é um resultado para ser comemorado por todos.

Luís Paulo Ferraz
Secretário Executivo - AMLD*

*Com informações da Associação Mico-Leão-Dourado